sexualidadegravidez2

A atividade sexual durante a gravidez é fundamental para a saúde da mulher, do casal e deve ser mantida. Apenas quando há indicação médica para restrição é que deve ser evitada (por exemplo na ameaça de aborto ou descolamento da placenta).

Algumas vezes, a alteração hormonal que ocorre durante a gravidez pode diminuir a libido, mas para muitas mulheres a disposição para o contato íntimo aumenta, sendo benéfico, pois o bem-estar e a alegria da mãe são também sentidas pelo bebê.

Desta forma, manter o contato íntimo até o final da gravidez não traz nenhum risco para o bebê, salvo em situações especiais, sob aconselhamento médico.

Primeiros 3 meses de gravidez

Durante os primeiros três meses de gestação há uma preocupação descabida de causar aborto, o desconforto com as náuseas – além do sono – podem contribuir para a diminuição do desejo no casal. Porém desde que não haja recomendação médica para evitar o contato íntimo o casal pode manter relações sexuais frequentes sem causar qualquer problema para o bebê.

Do 3º ao 6º mês

Dos três aos seis meses de gestação o desejo feminino volta ao normal e até mesmo com maior intensidade porque a aceitação da nova forma do corpo contribui para que a mulher se sinta mais atraente e feliz, e como a barriga ainda não é muito grande, pode-se adotar várias posições contribuindo para aumento do desejo do casal.

Do 6º até o nascimento

Na fase final da gravidez e especialmente após o 8º mês o desconforto com algumas posições é mais evidente e incomodativo, restringindo as posições assumidas durante o contato íntimo.

A frequência urinária pode aumentar e a barriga muda o centro de gravidade da mulher, tornando-a um pouco mais desajeitada ao caminhar, e alguns homens temem ferir o bebê durante a penetração e os casais ficam mais reticentes em buscar atividade sexual, o que por vezes gera ansiedade, porém caso não exista nenhuma restrição o contacto íntimo pode ser mantido. Na fase final, o esperma (por conter prostaglandinas) pode também aumentar as contrações uterinas e aproximar parto, sendo esta atividade recomendada como estímulo ao parto normal. 

Então mamães e papais, aproveitem!!!

Até mais!

karina - medica