Sabem vocês algumas coisas que fazemos, mesmo achando erradas? Pois é, o uso indiscriminado de remédios é uma delas, e parece enraizado na cultura do brasileiro!

Pesquisa recente do Conselho Regional de Farmácia mostrou isto em escala nacional, referenciando Recife como uma das cidades do Brasil em que mais se faz uso da automedicação.

Se no paciente adulto esta situação preocupa, sua importância cresce em pediatria, pois o organismo em evolução da criança suporta menos as reações adversas dos diversos medicamentos, levando a situações potencialmente perigosas à saúde infantil, inclusive com risco de vida.

Note-se que não só o uso indiscriminado e abusivo de antibióticos, com a resistência bacteriana que causa e a consequente diminuição da capacidade do organismo infantil manter-se hígido, é perigosa. Outros medicamentos como antialérgicos, xaropes contra a tosse, antitérmicos e corticoides, tão rotineiros na prática pediátrica diária, são potencialmente causadores de reações indesejadas e por vezes graves.

Tenho visto excessiva preocupação dos pais com situações corriqueiras da prática diária do consultório, como febre, tosse, diarreia, que quando leves ou mesmo moderadas, seriam contornadas sem o uso de qualquer medicamento, apenas com cuidados gerais e apoio à criança. Mas parece incutida na cabeça destas pessoas que o que resolve é sempre usar uma medicação.

Reflitam, conversem com o seu Pediatra. Desta parceria saem sempre coisas boas para seus filhos!