Bom dia mamães e papais!

O vídeo de hoje no blog está incrível. Daqueles que você assiste, se envolve e se emociona do início ao fim. No primeiro dia do ano publicamos aqui as fotos e o texto que a mamãe Lorena escreveu relatando o dia do parto. Foi normal, muito bem planejado e preparado. Vale a pena a leitura, mas o vídeo? Ah, esse não deixem de assistir. Super bem editado, trilha sonora linda e carregado de amor. Parabéns ao Estúdio Materne pela bela produção!

Clique aqui para ver também as fotos!

Nascimento de Isadora – Parto de Lorena 15/Out/2015 from Camilla Rocha on Vimeo.

Meu relato de Parto: Isadora, 15 de outubro de 2015, 5:46h, 40 semanas, Apgar 10/10, 3.350kg, 49cm

Me preparei para ter um parto humanizado. Pratiquei durante toda a gestação Ioga, musculação, corrida e caminhada. Participei de diversas discussões do grupo boa hora, assisti vários vídeos e filmes. Li muito sobre o assunto. Ouvi também muita gente ser contra a minha escolha. Como eu, nos dias de hoje, com a medicina tão avançada, iria parir assim… afinal de contas, eu não era índia! Tive o apoio do meu marido Romero. Ele acreditava que era possível, e acreditamos nisso até o fim!

Fizemos um plano de parto de forma natural com a ajuda da nossa doula Dan Gayoso. Sabíamos que seria muito difícil seguir tudo o que estava alí, pois imprevistos ocorriam. Mas, mesmo assim, fizemos um plano de parto ideal. Levei para a minha obstetra Glaucia Guerra ler. E ela disse: – “ É isso que vamos fazer”. Sabia que não ia ser fácil… não seria um parto rápido, iria sentir muita dor, iria pensar em desistir…, e foi exatamente o que aconteceu. Tivemos um parto natural. A nossa Isa chegou ao som de um mantra que repetia: “amo você, amo você…”

No dia 12 de outubro, no começo da tarde senti umas cólicas bem de leve e o tampão saia aos poucos. Estava com 39 semanas e 4 dias de gestação. Pareciam cólicas menstruais, começavam devagar, aumentavam, diminuiam, e depois passavam. Como uma onda, tudo se repetia. Na terça-feira fui para a consulta com a Dra. Glaucia. Meu colo estava apagado, mas estava sem dilatação. Na quarta-feira as contrações eram diferentes. Eram mais fortes e sentia uma dor muito desconfortável na região da lombar, bem em baixo. Passei o dia todo assim. À noite, falando com minha amiga Vanessa, ela me disse que essa dor ela sentiu quando estava dilatando. Pedi para Romero fazer um toque em mim e já estava com 5 cm de dilatação. Tomei um banho e fomos tranquilos para o hospital. Chegamos ás 22h e a equipe foi chegando aos poucos: Dra Glaucia, Dan e Camilla Rocha do Estúdio Materne (fotos e filmagem). Já estava com 7 cm. Por burocracia do hospital só subimos para o quarto às 24h.

Pronto! Estava tudo dando certo! Romero e Dan começaram a encher a banheira. E como a água morna da banheira ajudava a aliviar a dor! Eu estava muito calma e segura, nos intervalos das contrações conversavamos e riamos. Quando cheguei por volta dos 8 cm a brincadeira ficou séria. A dor era muito forte. Já não ria mais. A bolsa estourou dentro da banheira. Nesta hora o difícil foi encontrar uma posição “boa”. Todas eram desconfortáveis. Sentia vontade de vomitar, vontade de fazer coco. Pedi anestesia…estava arrependida daquilo… Foi quando parei e pensei: “Está perto”. É exatamente isso que diziam quando estava chegando a hora. As dores nas costas ficavam cada vez mais intensas. Dan fazia massagem. Aliviava um pouco, mas não passava. Já eram quase 3h da madrugada. Nesta momento eu me desconcentrei um pouco, meu marido pediu para eu manter o foco. Implorei por ajuda, queria uma posição boa para parir. Foi quando Dra Glaucia me colocou na banqueta e o expulsivo começou. Dan ficou atrás de mim, Romero e Dra Glaucia na frente. Isa estava chegando… Meu expulsivo foi assim: a dor da contração na lombar (parecia que o osso ia abrir), mais uma pressão no reto (que parecia que ia explodir), mais a queimação do círculo de fogo (que rasgava e queimava tudo). Era uma dor muito diferente da dilatação.

Isa estava coroando. Me pediram para tocar a sua cabeça. Não quis. Só fazia força na hora que eu queria, na contração. Mais um pouco saía a cabeça. Me lembro que falava: – “Puxa, puxa…’. Dra Glaucia a tirou, deu para Romero e ele me deu. A sensação de sentir o resto do corpo sair é indescritível. Eram 5:46 da manhã do dia 15 de outubro! Isadora  era perfeita: Apgar 10/10, 3.350kg, 49 cm. Lembro-me de ter dado as boas vindas a minha princesa que se calou assim ouviu a minha voz. Pensei que ia chorar horrores, mas não chorei, nada! Essa experiência foi tão intensa que me esgotou. Só agradeci. Agradeci a todos, um por um. Agradeci muito a Deus. Nesta hora pensei no meu sobrinho e afilhado Raulzinho. Quando o cordão parou de pulsar, Romero o cortou. Fui para a cama esperar a placenta sair. Liguei para o meu pai e para minha mãe. Romero ligou para os meus sogros. Isa nasceu pronta! No dia que completava 40 semanas, ela era forte, saudável e linda! Nosso maior presente estava ali, nos nossos braços. Aí pensei: ” Como pude viver tanto tempo sem você?”

FIM