Ah, me deixe com minhas frescuras! Sou mãe de primeira viagem e me sinto bem aplicando todos os cuidados do mundo.

Colocavam em mim o apelido de ‘fresca’, mas tive outros: ‘a louca do álcool 70’, ‘Rainha da higiene’… Nem gosto de lembrar, porque na época esses apelidos traziam tanta insegurança e não me ajudavam nem um pouco.

Como ficava feliz quando a visita por conta própria tirava os sapatos para entrar no quarto do meu filho ou mesmo vinha de casa direto para a minha e ainda lavava as mãos e passava álcool em gel, que diga-se de passagem, sempre tinha álcool em gel disponível para as visitas. Ficava em pânico quando no elevador do prédio alguém pegava na mão do meu filho indo ou voltando do pediatra. Um certo dia a chupeta caiu no chão e ouvi um: “passa uma água e dá para ele criar logo anticorpos”. Nossa meu filho estava a poucos dias do lado de fora da minha barriga, totalmente protegido e agora ele está do lado de fora (ainda sem vacinas) e eu aprendendo a ser mãe, mas não me deixam! Com tantas doenças espalhadas, se o menino pega algo a culpa vira da mãe que não cuidou. A verdade é que todo mundo tem que dar pitaco e até nas minhas frescuras.

Outra frase clássica: ‘ah, com o segundo filho você não será assim. Vai esquecer todas essas frescuras e será prática’. Ok! Mas eu ainda não tenho o danado do SEGUNDO filho que tudo passa a ser melhor. Preciso ser fresca mesmo com o primeiro para no segundo quem sabe ser como você deseja.

Uma mãe de primeira viagem faz perguntas incríveis ao pediatra. Se você conhecer um, pare e pergunte à ele o que mais as mães perguntam. Você vai morrer de rir, mas aquilo significa INSEGURANÇA DA CHEGADA. Sim, ninguém nos criou para sermos mães, ninguém fez o manual perfeito, até porque não tem como. As pessoas são diferentes e elas precisam de um tempo para aprender. Experimente visitar uma mãe no primeiro mês e depois compare com o sexto mês. De ‘fresca’ ela passa a ser ‘desenrolada’ ou ‘mãezona’. (Eu trocava fralda até no escuro com uma habilidade incrível.) Clarooooo ela teve tempo para aprender, mas aquele ‘fresca’ foi dito no momento de maior sensibilidade, de maior angústia, de maior aprendizado… Ele pode não fazer diferença para algumas mães mais seguras, mas pode causar sentimentos bem difíceis em outras.

Sabe o que é legal? Visite, ofereça ajuda, ofereça colo, pergunte se aquela mamãe gostaria de uma comida especial para você levar (sim, só levam presente para o bebê que já tem tudo), se ela está bem, querendo algo. Dê atenção para ela e fique despreocupado que o bebê está sempre ótimo e sempre bem cuidado. No pós parto o que queremos é acolhimento e zero de crítica. Estamos lidando com um turbilhão de mudanças e precisamos do mínimo de paciência. Se você não é capaz, não visite, espere! Uma palavra pode magoar demais e você nem imagina o quanto…

Ah, me empresta seu álcool em gel? Meu filho pegou no chão! (assunto para um próximo dia)

Beijos da mamãe Lara