Sabe quando você acha que está sob o controle de tudo, daí vem alguém e diz que você está completamente enganada?

Essa foi a primeira lição que João Marcelo me deu.

Ju&Mauro-40

Eu e Marcelo, meu marido, estávamos numa fase sui generis , rs! Super envolvidos com trabalho, tínhamos viagens marcadas de férias…Enfim! Na nossa cabeça só passava como seria o próximo fim de semana, kkkk. Filhos? Quando perguntavam pra gente a resposta vinha em coro: “sem previsão”.  Achávamos que não era momento, que não estávamos preparados.

Planos, projetos, prioridades. Que tal uma reviravolta completa?

Estava em uma viagem à trabalho, minha menstruação teimava em não vir, apesar da dor insuportável nos seios e estar tão inchada que foi impossível usar biquíni em pleno paraíso de Trancoso. Uma amiga jogou a primeira sementinha da desconfiança:

– Você deve estar grávida.

Soltou um sorriso descompensado depois, que quebrou o momento “gelo”. Minha cara não deve ter sido a mais legal.

A verdade é que aquela pergunta martelou minha cabeça…Será?

– “Impossível”, eu respondia para mim mesma numa tentativa de convencimento totalmente frustrada. Já perdi o sono, amanhã tenho que acordar cedo. Rolava na cama com a consciência pesada. Lembrei que tinha esquecido o remédio alguns dias, e daquele fim de semana romântico com vinhos…Ih! Será?

Permaneci na dúvida durante toda a viagem. Na volta pra Recife, as amigas que estavam comigo em Trancoso já compartilhavam da minha ansiedade. Foi quando no aeroporto mesmo comprei o teste de farmácia, e foi lá, em pleno banheiro aguardando o próximo voo que soube da notícia que mudaria minha vida: Sim, positivo, duas linhas bastante rosinhas acusavam o que eu ouvi em coro das meninas que esperavam do lado de fora “Vai ser mamãããããããe”.

Chorei, me acabei, desabei. Surpresa não, desespero enquadra melhor o sentimento.

Fiquei em estado de choque alguns dias, mas já tinha passado a hora de contar para o marido.

Contar? Falar sobre o assunto me dava frio na barriga, daqueles igualzinhos as descidas das montanhas russas. Resolvi escrever.

Preparei um cartão e junto um sapatinho.

Ele leu, releu, leu novamente, mais uma vez.

– “Você está grávida?”

Chorei, me acabei, desabei. De novo.

A gente ficou lá abraçado, foi uma noite longa. Conversamos, me acalmei, ele se acalmou.

Não foi fácil.

Não é fácil.

A gente não passava por nenhuma crise no casamento, e já tínhamos completado até bodas de trigo. Já curtimos muito, viajamos, e tudo mais que dizem ser necessário de fazer antes de ter filhos, mas a vinda surpresa do bebê acarretaria numa mudança que a gente ainda não tinha parado pra pensar ou calcular.

Mas eu digo, toda angústia e  medo passou mais rápido do que imaginávamos. O mundo não acabou, ao contrário, aos poucos foi renascendo dentro de mim (nós) uma nova vontade de vencer, crescer, e refazer aqueles projetos, planos e prioridades que citei lá em cima.

A família comemorou muito, a barriga começou a crescer, o ultrassom mostrava seus movimentos, e a emoção foi tomando conta. Quando dei por mim estava escutando Mozart para estimular a inteligência dele, pesquisando os quartinhos na internet, e comprando passagem para Orlando pra fazer o enxoval.

Falamos dele praticamente o dia inteiro, a barriga mexe e já penso que está escutando e entendendo tudo que eu digo, rs! Conto história, canto, morro de rir falando “sozinha” e choro muito – só que dessa vez de emoção misturada com um amor indescritível. Grávida é assim mesmo, um turbilhão de emoções, das mais genuínas e encantadoras que já pude sentir.

Cada dia aprendo mais um pouco, João Marcelo conseguiu que eu amadurecesse em poucos meses o que talvez eu demoraria anos para conseguir. Já sou eternamente grata a ele por isso, e pensar que é só o começo…

“Estranho seria se eu não me apaixonasse por você…”

Vem João, sua mamãe está te esperando plena, feliz, e certa da luz que você será em nossas vidas. Vem nos fazer felizes e iluminar nossa caminhada. Vem com muita saúde e abençoado por Deus. Vem logo, Vem!